segunda-feira, 28 de janeiro de 2008

Não à violência...

É já a 30 de Janeiro que se celebram os 60 anos da morte de Mohandas Karamchand Gandhi, mais conhecido por Mahatma Gandhi. Este activista/pacifista (cujo nome significa "A Grande Alma") nasceu a 2 de Outubro de 1869 em Nova Deli, e faleceu a 30 de Janeiro de 1948. Fez uma revolução, usando o princípio da não-violência, que ajudou a fundar o moderno estado indiano.
Estudou Direito em Londres e tornou-se vegetariano. Para Gandhi a alimentação deve ser apenas a suficiente para satisfazer as necessidades do corpo, por isso jejuava e usava o jejum frequentemente como estratégia política (uma espécie de greve de fome). Também no que ao sexo respeita Gandhi tinha uma ideia própria, baseada e influenciada pela crença hindu, e foi nesse pressuposto que renunciou ao sexo aos 36 anos. O silêncio era para ele importante e um dia por semana abstinha-se de falar; comunicava escrevendo.
Gandhi ia mais longe e, depois de regressar de África do Sul, começou a vestir-se de forma mais pobre. Fabricava artesanalmente os
tecidos da sua própria roupa e usava esses tecidos nas suas vestes.
Gandhi era contra o sistema convencional de
Educação em Escolas, acreditava que as crianças aprendem mais com os pais e com a sociedade.
Por várias vezes Gandhi foi indicado para o
Prémio Nobel da Paz, mas nunca o recebeu, embora o comité organizador tenha reconhecido ter sido um erro.
Muitas foram as opiniões sobre Gandhi.
Winston Churchill chegou a chamá-lo de "faquir nu" e Albert Einstein disse que “as gerações futuras terão dificuldade em acreditar que um homem como este realmente existiu”.

Aqui ficam alguns dos pensamentos de Gandhi:
"De olho por olho e dente por dente o mundo acabará cego e sem dentes."
"Só podemos vencer o adversário com o amor, nunca com o ódio."
"O medo tem alguma utilidade, mas a covardia não."
"A verdadeira riqueza de um homem é o bem que ele faz ao seu semelhante."
"A arte da vida consiste em fazer da vida uma obra de arte."
"Divergência de opinião jamais deve ser motivo para hostilidade."


(José Amaral)

12 comentários:

A. João Soares disse...

Amaral
É uma boa acção lembrar às pessoas pensadores como Gandhi. Quando diz que «Fabricava artesanalmente os tecidos da sua própria roupa» recordei que a teoria dele para o desenvolvimento começou com a reacção ao colonialista britânico que tirava da India o linho, transformava-o em Inglaterra e, depois vendia aos indianos os tecidos por alto preço. Então Gandhi aconselhou que em cada aldeia devia haver pelo menos um tear para satisfazer as necessidades da sua população e evitar a importação. Toda a sua teoria assentou na substituição das importações por produtos nacionais. Só alguns anos mais tarde, o Pandita Nehru avançou para a nova fase a de construir indústria pesada que seria utilizada para o mercado interno e também para exportação.
Portugal, neste momento está a precisar de um homem como este com sentido das realidades, amor ao País e ao povo e nada ambicioso, nem no vestir, nem na alimentação e, muito menos, nas corridinhas de exibicionismo.
Um abraço

Amaral disse...

João
Sim, sim, fez bem em acrescentar essa informação. Foi mesmo isso que Gandhi fez, quis acabar com a exploração colonial dos indianos pelos ingleses e um dos aspectos foi o dos têxteis.
Em Portugal precisamos realmente de outras "cavalgadas" que não as corridinhas ao bom estilo do show-off.
Abraço

inconformist disse...

A mensagem de Ghandi é uma mensagem para toda a humanidade, acima de tudo de não violência, cooperação e ilustrativa de que a nossa vontade própria, se quisermos ninguém a consegue dobrar, podem matar-nos físicamente, mas a alma não, a espiritualidade, nunca.

Amaral disse...

Inconformist
Seja (re)bem-vindo. Há uns tempos que não comentava aqui. Obrigado.
As suas palavras são esclarecedoras e dizem tudo.
Abraço

Isabel-F. disse...

Um grande HOMEM ...

sem dúvida o mundo aprendeu muito com ele ...

as suas palavras jamais morrerão no tempo ...


beijinhos

Amaral disse...

Isabel
É pena que os homens continuem a esquecer-se dos seus ensinamentos.
As palavras ficam, mas era bom que se lhes desse validade.
Bjo

Meg disse...

Caro Amigo,

Uma grande alma, acima de tudo.
Lição de despojamento e um exemplo a seguir. Mas nesta sociedade em que vivemos, em que material ultrapassou de longe o nosso lado espiritual, só uma grande catástrofe levaria o homem a recuar e a "pensar", porque hoje não se pensa, o tempo não chega para consumir, consumir, consumir...
Mas acreditemos, cada um consigo, que podemos mudar o que parece imutável.

Um grande abraço

Amaral disse...

Meg
Disse tudo. Hoje não se pensa só se consome.
É, porém, acreditar que podemos mudar o mundo por pouco que seja.
Abraço

joão oliveira disse...

Ola amigo Amaral.

Gandhi é e sempre será uma grande referência do seculo passado e mais um a vez o Amaral trouxe até nós um exemplo a seguir na nossa sociedade.

um abraço e bom fim de semana.

JPCLEMENTE disse...

Olá J. Joaquim:
Numa época em que cada vez mais o ter reina em detrimento do ser, nunca é de mais falar em personalidade da grandeza de Gandhi.
Um abraço

Amaral disse...

João Oliveira
É pena que nos nossos dias Gandhi vá caindo no esquecimento.
Bom fim-de-semana
Abraço

Amaral disse...

João Paulo
Grande verdade. TER, não Ser. Infelizmente.
Bom fim-de-semana
Abraço