quinta-feira, 17 de janeiro de 2008

"Desfolhando poesia..."

Ary dos Santos natural de Lisboa, onde nasceu 7 de Dezembro de 1936 e faleceu a 18 de Janeiro de 1984, saiu de casa aos 16 anos. Exerceu diversas actividades para sobreviver.
Foi um garnde
poeta português e diseur de poesia. Filia-se no PCP e participa em muitas sessões de poesia. Ficou também conhecido como autor de poemas para canções do Concurso da Canção da RTP. Os seus temas «Desfolhada» (1969, interpretada por Simone de Oliveira) e «Tourada» (1973, interpretada por Fernando Tordo) saíram ambos vencedores.
Ary dos Santos foi uma personalidade irreverente e cativante. Uma grande maioria dos seus textos tem um forte tom satírico. A sua irreverência está bem presente neste seu poema:



Poeta castrado não!

Serei tudo o que disserem

por inveja ou negação:

cabeçudo dromedário

fogueira de exibição

teorema corolário

poema de mão em mão

lãzudo publicitário

malabarista cabrão.

Serei tudo o que disserem:

Poeta castrado não!

Os que entendem como eu

as linhas com que me escrevo

reconhecem o que é meu

em tudo quanto lhes devo:

ternura como já disse

sempre que faço um poema;

saudade que se partisse

me alagaria de pena;

e também uma alegria

uma coragem serena

em renegar a poesia

quando ela nos envenena.

Os que entendem como eu

a força que tem um verso

reconhecem o que é seu

quando lhes mostro o reverso:

Da fome já não se fala

- é tão vulgar que nos cansa -

mas que dizer de uma bala

num esqueleto de criança?

Do frio não reza a história

- a morte é branda e letal -

mas que dizer da memória

de uma bomba de napalm?

E o resto que pode ser

o poema dia a dia?

- Um bisturi a crescer

nas coxas de uma judia;

um filho que vai nascer

parido por asfixia?!

- Ah não me venham dizer

que é fonética a poesia!

Serei tudo o que disserem

por temor ou negação:

Demagogo mau profeta

falso médico ladrão

prostituta proxeneta

espoleta televisão.

Serei tudo o que disserem:

Poeta castrado não!



(José Amaral)

7 comentários:

Isabel-F. disse...

não faz parte das minhas preferências, embora goste bastante de alguns dos poemas que nos deixou.


bjs

Meg disse...

É sempre bom recordar o poeta e o homem, aquela força telúrica nas palavras.
E pensar que já lão 23 anos desde que nos deixou...

Um abraço

Amaral disse...

Isabel
Eu gosto, mas também não é dos primeiros. Mas como poeta não se lhe pode retirar o mérito.
Boa semana
Bjo

Amaral disse...

Meg
Inteiramente de acordo.
Boa semana
Abraço

Isabel-F. disse...

passei...


desejo-te uma boa semana

marsof81 disse...

De Ary dos Santos conheço mais as letras de canções que a sua poesia, mas este poema conheço. O meu pai diz que ele tem poesias lindas!! Acho lindo um que ele fez para o Fernando Tordo, não me recordo o nome mas começa assim "Minha laranja amarga e doce, meu poema". Acho lindo!! Ele era irreverente, mas todos os génios o são!!

Beijos e uma boa semana!!!

Amaral disse...

Ana Sofia
Tem toda a razão. Ary se calhar é mais conhecido "de ouvido" (pelas músicas) do que pela poesia, mas no fundo as músicas são poemas musicados.
Boa semana
Bjos