domingo, 23 de setembro de 2007

Poema de Neruda

Tu eras também uma pequena folha
que tremia no meu peito.
O vento da vida pôs-te ali.
A princípio não te vi: não soube
que ias comigo,
até que as tuas raízes
atravessaram o meu peito,
se uniram aos fios do meu sangue,
falaram pela minha boca,
floresceram comigo.

(Pablo Neruda)

10 comentários:

Paulo Sempre disse...

"vinte poemas de amor e uma canção desesperada" é o titulo de um livro de Pablo Neruda que fez as delicias das noites mais sombrias do meu último Verão. A sua poesia erotica celebra, com "neblina perfumada", o corpo da mulher e "coloca-o" a perfilar com outras "neblinas" não menos perfumadas... as paisagens a terra, enfim...a Natureza.
A dúvida que me desassossega - embora goste e muito, de mulheres - é se elas merecem tão "dourado" «altar».

PS: espero que as suas comentadoras não se detenham neste comentário sob pena de eu vir a deixar de beneficiar do erotismo das mulheres. Rissssssss

Abraço
Paulo

Amaral disse...

Paulo
Penso que (embora a opinião seja sua) o seu comentário só peca na parte do "se elas merecem".
Mas que não seja por isso que deixem de visitar o meu blog e de comentar os meus post.
Abraço

joão oliveira disse...

ola Amaral.

Belissimo poema de Pablo Neruda, escritor chileno que já partiu, mas deixou obra, tendo sido Prémio Nobel da Literatura em 1971, dois anos antes da sua morte.

um abraço

Amaral disse...

João
Grande poeta sem dúvida.
Abraço

inconformist disse...

"...pequena folha que tremia no meu peito.": que ser� o g�nio criativo,o alter ego, um heter�nimo ou simplesmente um amigo?
como sempre este blog mantem o n�vel.
Inconformist

Amaral disse...

Inconformist
Obrigado pelo elogio ao blog, que retribuo, porque sempre que aqui vem faz comentários muitos acertados.
Cumprimentos

Meg disse...

Claro que, pelo menos uma comentadora, lê os comentários anteriores. Ai,Paulo, Paulo!
Amaral, desculpe, mas teve de ser.

Quanto ao poema, é Neruda, não é?
Que posso eu dizer mais? Lindo!

Um abraço para si e outro para o Paulo Sempre.

Amaral disse...

Meg
Faz bem em ler os outros comentários e não tem de estar de acordo com eles, evidentemente.
O poema vale mesmo a pena.
Abraço

Meg disse...

Mas eu gosto mesmo do Paulo e do que ele escreve, ele é que não me liga muito... eheheh!
A sério!
Um abraço

Amaral disse...

Meg
Antes assim, pois não quero que o meu blog seja gerenciador de conflito.
Abraço