segunda-feira, 12 de maio de 2008

Manuel Alegre nasceu em Águeda, a 12 de Maio de 1936. Este poeta esteve exilado na Argélia durante o período Estado Novo. É membro destacado do Partido Socialista português, partido do qual foi fundador e Vice-Presidente.
Estudou
Direito na Universidade de Coimbra. Desde muito cedo demonstrou os seus ideais políticos. Destaca-se sobretudo a sua obra poética.
Recebeu numerosos prémios literários e o
Prémio Pessoa em 1999.
Aqui fica um poema da autoria de Manuel Alegre:


Canção tão simples

Quem poderá domar os cavalos do vento
quem poderá domar este tropel
do pensamento
à flor da pele?

Quem poderá calar a voz do sino triste
que diz por dentro do que não se diz
a fúria em riste
do meu país?

Quem poderá proibir estas letras de chuva
que gota a gota escrevem nas vidraças
pátria viúva
a dor que passa?

Quem poderá prender os dedos farpas
que dentro da canção fazem das brisas
as armas harpas
que são precisas?


(José Amaral)

5 comentários:

meg disse...

Caro amigo,
Há tanto tempo que não passo cá, mas sabe porquê... de baixa e tentando não deixar ir "isto abaixo", tudo muito devagar...
Sei que compreende.
E sobre Manuel Alegre como ele não escreve nada de que eu não goste, foi um bom post.~Um abraço

Amaral disse...

Meg
Tanto desânimo! Força! "Não há mal que sempre dure..." e faz falta. Quanto ao passar por aqui apareça sempre que puder.
Realmente o poeta Alegre tem poesia digna. Fico contente por lhe ter agradado.
Abraço

Hilário Godinho disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
A. João Soares disse...

Aprecio a sua meticulosidade na organização do calendário!
Parabéns ao poeta alegre pelos seus 72 anos. Além de poeta, ou talvez por isso, tem tido a coragem de fazer reparos ao governo do seu partido. Isso e honestidade e isenção, e coragem por lhe trazer amargos de boca.
Um abraço
A. João Soares

Amaral disse...

João
Obrigado pelos eloios. Sem dúvida que Alegre mostra saber colocar-se na política. Como poeta, também esta postura lhe fica bem.
Abraço