terça-feira, 4 de março de 2008

Poema


Mimosa


Na berma da estrada
manchas verdes e amarelas,
de um vivo amarelo,
avivam a paisagem.

O cheiro intenso
diz-nos serem
mimosas.

Enfeitam os montes
e revelam
quão pálida
é a vivência
das terras
que as acolhem.

Em breve,
o amarelo
dará lugar ao verde
e a palidez
dará lugar à…
esperança.



(in Outonalidades, José Amaral)

4 comentários:

Isabel-F. disse...

lindo o teu poema ...

parabéns ...


beijinhos

Amaral disse...

Isabel
Obrigado, folgo em saber que gostaste.
Bjinho

al cardoso disse...

O poema e lindo e a arvore tambem, principalmente quando esta em flor. Mas nao consigo gostar dela por ser tao invasora, e estrangeira!
No que toca a arvores, sou muito nacionalista!!!

Um abraco de amizade dalgodrense.

Amaral disse...

Al Cardoso
Obrigado pela visita.
Abraço