sábado, 15 de março de 2008

Poema Labiríntico

certezas


Encaminho-me para uma casa
da qual não sei
em que rua fica
nem tampouco
o número da porta.
Sei que fica ali,
talvez além;
não será antes acolá?

Assim é!!!
Também a minha vida
se encaminha
não sei para
que direcção.
Só sei que segue
o rumo que escolhi
ou o destino por mim.

Este labirinto
traz-me perdido
de incertezas,
poisque
quando não temos certezas
a única certeza que temos
é que não temos...
certezas.


in Oráculo Luminar, José Amaral

12 comentários:

JPCLEMENTE disse...

Caro amigo, J. Joaquim!
Este teu texto poético faz-me lembrar um pouco uma expressão que resume muito bem o que é a vida: "A vida é a arte do possível!". Apesar de não ser da autoria do nosso amigo comum, Paulo Machado, foi a ele que a ouvi dizer. De facto os nossos sonhos materializam-se nesta "arte do posível".
Um abraço amigo
JPClemente

JPCLEMENTE disse...

digo possível

Amaral disse...

João Paulo
Gostei do teu comentário e concordo com ele.
Bom fim-de-semana e aquele abração fraterno

Menina_marota disse...

A vida numa é uma certeza... mas está na forma de a vivermos o termos ou não a certeza de que é bem vivida...

Gostei muito do poema.

Um abraço e bom domingo ;)

Meg disse...

Caro amigo

Para mim...

Só sei que segue
o rumo que escolhi
ou o destino por mim.

É no que acredito

Um abraço e bom domingo

Amaral disse...

Menina Marota
Primeiro bem-vinda e obrigado. Volte mais vezes.
Fico feliz por ter gostado do poema.
Sem dúvida que o que interessa é termos a certeza que vale a pena a via que vivemos.
Boa semana
Bjo

Amaral disse...

Meg
Será sempre essa uma dúvida: a nossa escolha sobrepõe-se ao destino ou vice-versa?
Boa semana
Abraço

Isabel-F. disse...

"...
a única certeza que temos
é que não temos...
certezas.
"

adorei Amaral.
o teu poema é fantástico.
os meus sinceros parabéns.

beijinhos e obrigada pela partilha.
boa semana

Amaral disse...

Isabel
Fico feliz por teres gostado do poema. Partilhar... faz-nos bem, para quê guardar quando podemos partilhar.
Boa semana
Bjo

joão oliveira disse...

Ola Amaral.

"quando não temos certezas, a única certeza que temos, é que não temos certezas"

gostei particularmente desta ideia.

continue com os seus poemas, pois gosto de os vir ler, embora nem sempre comente.

um abraço

joão oliveira disse...

Ola Amaral.

"quando não temos certezas, a única certeza que temos, é que não temos certezas"

gostei particularmente desta ideia.

continue com os seus poemas, pois gosto de os vir ler, embora nem sempre comente.

um abraço

Amaral disse...

João
Uma vez mais obrigado pela visita. Agrada-me que os meus poemas (perdoe-me a repetição) lhe agradem.
Abraço