quinta-feira, 27 de março de 2008

Leitura de Pasmar

Há catorze anos atrás li um livro do escritor espanhol Gonzalo Torrente Ballester que me deixou maravilhado. Depois vi o filme, inspirado nesse romance, que também estava muito bem conseguido. Agora, passados estes catorze anos apeteceu-me reler Crónica do Rei Pasmado (186 pág, “Narrativa Actual – RBA”).
É um divertido romance que foi um grande êxito em Espanha. Trata-se de um livro particularmente saboroso, hábil e irónico, narrado com a mestria e a sabedoria de um escritor como Ballester. Numa escrita fluente Ballester relata-nos uma história tão banal (talvez não para a época) como caricata.
O rei nunca tinha visto uma mulher nua, nem sequer a sua: a rainha. Ao ver pela primeira vez uma mulher nua (Marfisa) fica de tal maneira pasmado que lhe cresce o súbito desejo de querer ver nua também a rainha. Numa corte “controlada” uma intriga se tece, metendo nobres, inquisidores, uma afamada meretriz, um jesuíta português…
É partir deste pequeno (e hoje banal) acontecimento que se vai desenrolar a drama deste divertido romance. Não é tanto o problema da armada espanhola ser saqueada, mas é mais importante saber se deve ou não, o rei, ver a mulher nua. Uns dizem que sim, pois é sua mulher; outros que não, pois é contra as leis divina.


(José Amaral)

4 comentários:

Anónimo disse...

Ora aqui está um livro q por achar tão desinteressante não consegui ler até ao fim,o contexto da época e algumas das personagens até se demonstra hilariante,mas por vezes enfadonho,mas gostos não se discutem,o tema em si tb n traz nada de apelativo.
inconformist

Amaral disse...

Inconformist
Aceito o seu comentário. Porém, e ainda falando de professores eu tinha um que dizia, e com razão, que "os gostos discutem-se, mas não se impõem".
Eu gostei de ler e reler.
Abraço

JPCLEMENTE disse...

Caro J. Joaquim!
Eis um bom aperitivo para ler o livro que sugeres!
Tem um óptimo fim de semana

Amaral disse...

João Paulo
Tu vais gostar certamente. Bom fim-de-semana.
Abraço