sábado, 23 de fevereiro de 2008

Lianor ou Leonor?

Descalça vai para a fonte

Descalça vai para a fonte
Lianor pela verdura;
Vai fermosa, e não segura.

Leva na cabeça o pote,
O testo nas mãos de prata,
Cinta de fina escarlata,
Sainho de chamelote;
Traz a vasquinha de cote,
Mais branca que a neve pura.
Vai fermosa e não segura.

Descobre a touca a garganta,
Cabelos de ouro entrançado
Fita de cor de encarnado,
Tão linda que o mundo espanta.
Chove nela graça tanta,
Que dá graça à fermosura.
Vai fermosa e não segura.

(Luís de Camões)




Poema da auto-estrada


Voando vai para a praia
Leonor na estrada preta
Vai na brasa de lambreta.

Leva calções de pirata,
Vermelho de alizarina,
modelando a coxa fina
de impaciente nervura.
Como guache lustroso,
amarelo de indantreno
blusinha de terileno
desfraldada na cintura.


Fuge, fuge, Leonoreta.
Vai na brasa, de lambreta.
Agarrada ao companheiro
na volúpia da escapada
pincha no banco traseiro
em cada volta da estrada.
Grita de medo fingido,
que o receio não é com ela,
mas por amor e cautela
abraça-o pela cintura.
Vai ditosa, e bem segura.


Como um rasgão na paisagem
corta a lambreta afiada,
engole as bermas da estrada
e a rumorosa folhagem.
Urrando, estremece a terra,
bramir de rinoceronte,
enfia pelo horizonte
como um punhal que se enterra.
Tudo foge à sua volta,
o céu, as nuvens, as casas,
e com os bramidos que solta
lembra um demónio com asas.


Na confusão dos sentidos
já nem percebe, Leonor,
se o que lhe chega aos ouvidos
são ecos de amor perdidos
se os rugidos do motor.


Fuge, fuge, Leonoreta.
Vai na brasa, de lambreta.

(António Gedeão)
(José Amaral)

14 comentários:

Isabel-F. disse...

Não conhecia a versão de António Gedeão ...


gostei de ler.

bjs

Anónimo disse...

Lindos poemas,tanto o de Camões, como o de António Gedeão,os dois enaltecem a mulher quando apaixonada,segura ou insegura e a sua atitude perante o mundo em épocas diferentes,onde o seu papel como mulher se transformou...deixou um mundo que a reprimia e a castrava e saltou para um mundo onde pode "voar" agarrada ao seu companheiro e ao seu lado ...bem é apenas uma leitura...mas será assim,qual das Leonores valerá a pena ser...bem o importante é que cada uma seja aquilo que realmente gosta de ser e não uma sociedade que o imponha..
Abraço Amaral

Anónimo disse...

Amaral esqueci-me de referir que o comentário é da Inconformist,,estive a ler o que tem publicado para trás, gostei tb de ler o poema do Jorge de Sena, um escritor que admiro bastante,conheçe o Reino da Estupidez? Para mim é um óptimo ensaista e penso que faz umas análises interessantes de obras literárias.Gostei também do seu poema Quadras,muito crítico e muito mordaz,sade Amaral,não podemos esperar nada dos outros,de ninguém,infelizmente são os tempos que correm...mesmo muito maus...então as pessoas..perderam toda uma dimensão humanísta, que felizmente muito poucos ainda a tem presente...
beijo
Isabel

Amaral disse...

Isabel
É uma versão bem "arejada" emuito bem humorada. A Poesia de Gedeão é enorme, talvez pouco conhecida e pouco divulgada.
Merece mais.
Boa semana
Bjo

Amaral disse...

Inconformist
Bela leitura/apreciação aos poemas de Camões e de Gedeão. Cabe à mulher escolher como quer ser feliz, como quer ser Mulher.
O segundo comentário, complemento ao primeiro,diz muitas verdades. Hoje em dia as pessoas dão um presunto a quem lhes dá um porco em troca. Infelizmente
Boa semana

Meg disse...

Mas eu comentei ontem!!! Ou despistei-me e fui embora sem verificar se o comentário entrou!

Lianor, meu amigo, pois foi assim nas récitas de fim de ano no LIceu, no tempo em que o que os professores diziam tinha a força de lei. E não havia contestações.
Gedeão... vou te roubar este poema, pode ser?

Um abraço

Amaral disse...

Meg
Pelos vistos o comentário não "assentou", mas vem agora, pois ainda vem a tempo.
O poema pode ser roubado, acho que Gedeão não se importa que se divulgue a sua belíssima Poesia.
Boa semana
Abraço

JPCLEMENTE disse...

Caro J.Joaquim:
Uma analogia interessante com o poema do grande Camões.
Um abraço
JPC

Amaral disse...

João Paulo
Também achei que seria interessante publicar estes dois poemas juntos.
Boa semana
Abraço

al cardoso disse...

"Lianor" e, "Leonoreta", dois excelentes poemas de dois dos nosso maiores poetas!

Ja meus conhecidos mas sempre com muito gosto os leio!

Um abraco de amizade dalgodrense.

Amaral disse...

Al Cardoso
Ficou contente em saber que a minha selecção poética lhe agrada.
Abraço

Anónimo disse...

Já conhecia a magistral interpretação de Amália Rodrigues (fã acérrima de Camões) de Lianor?

http://www.youtube.com/watch?v=A6LcTDkq_Rc

Rui Lopes disse...

Gostaria de dar o breve comentário de que todas as pessoas esperam. Um comentário claro e objectivo, pois o que se evidencia no facto de "Quantos nomes tem Leonor?" eu diria que Leonor e Lianor têm muito em comum. A forma de vestir, bastante evidenciada nos dois poemas. Pois, eu ando na escola. Tenho apenas 13 anos e ando no 9ºano. Tentei-me expressar o mais que pude à minha professora de Português, e como resultado a resposta "Leonor é uma menina bela e que tem os seus contrastes sociais caracteriza-se bem com as ditas cantigas de amor e amigo, dos nossos grandes antepassados da literatura portuguesa" veio de uma utopia, que remotamente pairava no complexo universo da matéria que reconhecemos no nosso dia-a-dia.

Rui Lopes disse...

Aproveito o momento para escrever que é a primeira pessoa que eu conheço que gosta e conhece o filme "Les Choristes". Pois eu acho que era o filme ideal para passarem nas escolas, para que os alunos, talvez, sintam a capacidade que têm de saber escutar, aprender e mais que tudo ensinar...