segunda-feira, 5 de abril de 2010

Acabei de ler o romance de estreia do norte-americano David Wroblewski, A História de Edgar Sawtelle (Bertrand, 583 páginas).
Aclamada pela crítica – “A leitura obrigatória deste Verão”, People Magazine; “Inesquecível”, Washington Post Book World; “Um misto de thriller literário com bestseller”, Publishers Weekly – e considerado o Romance do Ano 2009 (pelo Oprah Book Club), esta obra relata a vida de um menino mudo no interior dos EUA.
Edgar Sawtelle vive com a família numa quinta remota em Wisconsin e, apesar da deficiência, é feliz. Há gerações que os Sawtelle criam uma carinhosa raça de cão, ilustrada na perfeição por Almodine, a companheira de sempre de Edgar. É com ela e com mais dois cães que Edgar foge após a tentativa falhada de provar o envolvimento do tio na morte do pai, uma morte repentina e em circunstâncias misteriosas em que ele acaba por culpar-se a si próprio por não ter podido gritar por socorro. Após este acontecimento e destroçado pelo romance da mãe com o tio paterno, um dia Edgar vê o fantasma do pai e decide partir na companhia dos três cães. Porém, o amor à mãe e aos animais, e o desejo de vingança, fazem com que regresse a casa. Mas nada é como esperava e Edgar terá de se decidir entre a vingança ou a preservação do legado da família.
Embora muito aclamado confesso não ter gostado muito. Daí o ter demorado tanto tempo a lê-lo (mesmo não gostando, levo a leitura até ao fim). Parece que o autor se preocupou, em demasia, em escolher as palavras e não deixou a criatividade à solta. Por vezes, arrastam-se as descrições e dá a sensação de haver palavras a mais, só para embelezar um pouco mais a história.
Eu não gostei, mas pode ser falha minha. Contudo, deixo a sugestão, pois pode haver outros que leiam e que gostem.

(José Amaral)

2 comentários:

JPCLEMENTE disse...

Amigo J. Joaquim!
Continuação de uma boa Páscoa!
Um abraço
JPClemente

Amaral disse...

João Paulo
Agradeço e retribuo em dobro.
Abraço