domingo, 1 de março de 2009

Março


momentos


Certa manhã de Março,
meiga, muito meiga,
convidava-me, melancolicamente,
qual grumete inquieto
que maquina alguma maroteira,
a ouvir a melodia,
magistralmente melodiosa,
do marulhar.

Debaixo de uma magnólia
lembrei-me que conheço um homem
- conheço!? -
que anda sem destino na areia,
mas só o faz quando está lua cheia.

Será que é? ...
Não sei!

Vagueia, vagamente.
Vagarosas vagas de uma viagem
vigiada pela visão voraz
de um verdadeiro grand frère.

Ficava impávido
fitando o horizonte,
fiando sua trama literária,
fazendo gestos frios,
facilmente confundidos
com habilidades de uma foca.

Batia com os pés
batidas brandas na areia e...
bebia suaves brisas.

Caiu calmamente
na cama improvisada.
Com o olhar cego de coragem;
com uma punhada seca,
cravou um punhal
na carne fria do peito.


(in "Oráculo Luminar", José Amaral)

6 comentários:

Carla disse...

Amarga realidade que aqui descreves...e é verdade em momentos de amargura dificilmente sabemos como é que as pessoas vão reagir
boa semana

Amaral disse...

Carla
Essa é uma incógnita que por vezes é bem amarga.
Boa semana
Bjo

Regina disse...

Olá meu doce amigo.
A vida as vezes nos prega peças muito ruins.
Não sabemos o real valor das coisas e nem suas reações.
Um triste e sentido post.
Beijinhos doces, meu amigo.
Uma semana de muita paz, amor e luz.
Sua amiga do lado de cá.
regina Coeli.

Amaral disse...

Regina
Obrigado pela visita e pelas suas sempre simpáticas palavras.
Bjo

Delfim Peixoto disse...

Amaral, devo um pedido de desculpas por ter "desaparecido " assim... mas houve alguns comentários pessoaios e privados nos meus outros blogs e tive de "travar".... agora que já te tenho nos endereços, vou adicionar outra vez
Abraço e obrigado pela Amizade

Amaral disse...

Delfim
Lamento por esse contratempo. Continuação de bons poemas.
Abraço