quinta-feira, 20 de novembro de 2008

Grande Poeta

Rómulo de Carvalho, mais conhecido pelo pseudónimo de António Gedeão, nasceu em Lisboa, a 24 de Novembro de 1906 e faleceu igualmente na capital, a 19 de Fevereiro de 1997. Foi um excelente professor, pedagogo, investigador de História da ciência em Portugal, divulgador da ciência e poeta.
Aqui fica um dos seus poemas mais conhecidos:

(Imagem retirada da Internet)

Pedra filosofal



Eles não sabem que o sonho
é uma constante da vida
tão concreta e definida
como outra coisa qualquer,
como esta pedra cinzenta
em que me sento e descanso,
como este ribeiro manso
em serenos sobressaltos,
como estes pinheiros altos
que em verde e oiro se agitam,
como estas aves que gritam
em bebedeiras de azul.

Eles não sabem que o sonho
é vinho, é espuma, é fermento,
bichinho álacre e sedento,
de focinho pontiagudo,
que fossa através de tudo
num perpétuo movimento.

Eles não sabem que o sonho
é tela, é cor, é pincel,
base, fuste, capitel,
arco em ogiva, vitral,
pináculo de catedral,
contraponto, sinfonia,
máscara grega, magia,
que é retorta de alquimista,
mapa do mundo distante,
rosa-dos-ventos, Infante,
caravela quinhentista,
que é Cabo da Boa Esperança,
ouro, canela, marfim,
florete de espadachim,
bastidor, passo de dança,
Colombina e Arlequim,
passarola voadora,
pára-raios, locomotiva,
barco de proa festiva,
alto-forno, geradora,
cisão do átomo, radar,
ultra-som, televisão,
desembarque em foguetão
na superfície lunar.
Eles não sabem, nem sonham,
que o sonho comanda a vida.
Que sempre que um homem sonha
o mundo pula e avança
como bola colorida
entre as mãos de uma criança.



(José Amaral)

6 comentários:

Meg disse...

Caro Amigo,

Fico comovida sempre que leio este poema. Porque é das coisas mais bonitas que foram escritas e fico sem palavras.

Um abraço

Amaral disse...

Meg
Por acaso também gosto muito deste poema. Lindo e ensina-nos tantas coisas.
Bom fim-de-semana
Abraço

joão oliveira disse...

Bom dia Amaral.

Um verdadeiro simbolo da nossa cultura, que fez muito bem em recordar.

Este poema quando cantado e musicado eleva-nos a um outro patamar da nossa existencia.

No entanto precisava de conversar consigo, se for possivel, claro.
Perdi o seu nº de telemovel, pode-me enviar por mail se puder.

um abraço.

Amaral disse...

João
Sem dúvida um poema extraordinário como são todos os poemas se António Gedeão.
Boa semana
Abraço

Deusa Odoyá disse...

Olá meu amigo Amaral.
Que lindo esse poema.
Tão doce, e cheio de ensinamentos.
beijos, amigo.
Adoro vir ao seu blog.
Pois leio todos os poemas,de muito valor poético, de autores portugueses.
Beijos da sua amiga do aldo de cá.

Regina Coeli.

Amaral disse...

Regina
Muito obrigado pela sua presença constante. Este é um dos meus poetas preferidos.
Bjinho