segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

Vamos acabar com este drama

«Doze Silhuetas negras, em tamanho natural, a simbolizar as vítimas mortais dos acidentes rodoviários, foram colocadas em algumas estradas do distrito de Viseu. É mais uma tentativa para sensibilizar os automobilistas para uma condução prudente.
As primeiras placas foram implantadas em três vias conhecidas pelo número elevado de acidentes: EN 229 (Viseu/Sátão), EN 231 (Viseu/Nelas) e IP3. O número de acidentes e as vítimas mortais continuam a baixar no distrito de Viseu, mas o Governador Civil de Viseu, Acácio Pinto considera que é preciso continuar a lembrar os automobilistas que a condução imprudente tem consequências».

(in Jornal do Centro, ed. 354, de 26 de Dezembro de 2008)

Numa iniciativa louvável da Autoridade Nacional da Segurança Rodoviária apareceram estas silhuetas negras, na berma das estradas, para nos fazerem, a nós condutores, pensar duas vezes antes de carregar no acelerador.
Esta época festiva (Natal e Fim-de-Ano) é, muitas vezes, ensombrada por notícias de mortes nas estradas. Cabe-nos a nós ter uma postura cívica que permita alterar este drama. Como diz o slogan “Mortes na estrada: Vamos parar este drama”.

(José Amaral)

5 comentários:

Deusa Odoyá disse...

Olá meu estimado amigo!
Issoé uma posição que as pessoas teriam que tomar.
Não bebendo tanto,tendo
mais solidatirdade edade como o próximo.
E maior rigor em relação dos policiais que vigiam as estradas.
Bem meu estimado amigo, estou voltando aos poucos por orientação médica.
Desejo a você um ano de 2009 de muita luz, paz e amor.
que Deus possa sempre abençoar seus caminhos.

Sua amiga do lado de cá.

Regina Coeli.

Amaral disse...

Regina
Espero as suas melhoras e que 2009 lhe traga tudo de bom.
Bjo

JPCLEMENTE disse...

TEM UM ÓPTIMO 2009!

Amaral disse...

Joao Paulo
Muito obrigado. Um 2009 cheio de coisas boas.
Abraço

al cardoso disse...

E uma triste realidade que parece nao nos querer deixar!
Faco votos que o novo ano, traga muito melhor conducao, entre tantas outras coisas!

Um abraco dalgodrense.